Resenha - Graffiti Moon - Cath Crowley

escrito por Rafael Fernandes

Título: Graffiti Moon
Autor: Cath Crowley
Editora: Valentina
Páginas: 240
Onde comprar: Aqui
Nota sobre o livro: 4 de 5

Sinopse:
Uma aventura emocionante e perigosa como um grafite clandestino. Uma noite de arte e poesia, humor e autodescoberta, expectativa e risco e, quem sabe, amor verdadeiro. Um artista, uma sonhadora, uma noite, um significado. O que mais importa? O ano letivo acabou, aliás, o último ano do ensino médio. Lucy planejou a maneira perfeita de comemorar: essa noite, finalmente, ela encontrará o Sombra, o genial e misterioso grafiteiro, cujo fantástico trabalho se encontra espalhado por toda a cidade. Ele está de spray na mão, escondido em algum lugar, espalhando cor, desenhando pássaros e o azul do céu na noite. E Lucy sabe que um artista como o Sombra é alguém por quem ela pode se apaixonar — se apaixonar de verdade. A última pessoa com quem Lucy quer passar essa noite é o Ed, o cara que ela tem tentado evitar desde que deu um soco no nariz dele no encontro mais estranho de sua vida. Mas quando Ed conta para Lucy que sabe onde achar o Sombra, os dois de repente se juntam numa busca frenética aos lugares onde sua arte, repleta de tristeza e fuga, reverbera nos muros da cidade. Mas Lucy não consegue ver o que está bem diante dos seus olhos.

Comentários:
Arte!

Esta é uma palavra que define perfeitamente Graffiti Moon.

Comecei a ler este livro todo empolgado, já nas primeiras páginas pude verificar que os personagens são bem marcantes e tem um linguajar bem envolvente, partindo deste princípio gostei, uma poesia difícil de se encontrar nos romances juvenis de hoje em dia.

É noite, fim do período escolar e Lucy está totalmente desesperada para conhecer Sombra, um grafiteiro apaixonado pela arte. É muito excitante ver Lucy superinteressada pelas obras de Sombra, algo que só é bem entendido quando se sabe o significado das imagens noturnas feitas pelo Sombra. De alguma maneira Lucy conhece bem as pinturas e o reconhece assim que vê um.

Ed já levara um soco de Lucy outrora (parece marrenta, eu sei), mas para mim ela é super fofa e uma garota normal, mesmo assim Ed ajuda Lucy a encontrar o Sombra, aliás ele e seu "amigo" Leo diz conhecer os artistas que ela sonha todo dia em conhecer, especialmente o Sombra. Lucy encara o desafio como uma aventura noturna a procura de sua paixão. O leitor vai ficar irritado, agonizando para que a personagem principal abra seus olhos, porque quando verdades são reveladas dificilmente o leitor se safará de sofrer com suas emoções, juntando a isso a poesia tomada pelo Poeta tornará ainda mais fadado a amar esta história.

Este romance não foi feito apenas para jovens leitores se divertirem, Graffiti Moon consiste em surpreender e entreter, foi o que aconteceu comigo, me emocionei com Lucy, confesso que fiquei confuso algumas vezes com seus sentimentos, mas Crowley soube explorar bem seus personagens, denotando suas essências.

A capa com o relevo do título é realmente uma arte linda, a moça retratada como a personagem Lucy tão bela, se assim posso dizer maravilhosa, gotas de tintas espalhadas pelos capítulos, a intercalação das vozes dos personagens é um fator que me agradou, ainda melhor, os pontos de vista me fizeram ver a noite de várias formas: o vidro nas mãos de Lucy, o Sombra desenvolvendo sua arte e o Poeta complementando a obra do Sombra. Achei a obra totalmente tocante!

É possível que se você ainda não ame a arte, comece a apreciá-la de verdade depois de ler esta arte. Um livro apaixonante que vai te surpreender. Não só recomendo para os leitores juvenis, mas a todos os apaixonados pela arte.


0 Comentaram:

Postar um comentário