Campanha - Fale! Contra o Abuso‏

escrito por Rafael Fernandes

Decidi aderir a campanha Fale! Contra o Abuso porque sei que é um tema muito recorrente no nosso dia a dia, na verdade é muito mais do que comum, são milhões de pessoas que sofrem caladas e não sabem como reagir perante tal brutalidade, por isso fiz este post especialmente para ajudar as pessoas que no momento possam estar sofrendo, se você se identifica ou conhece alguém que seja vítima, segue algumas ONGs que podem ajudar:

ONGs que ajudam as vítimas

Existem diversos canais além do Disque 100 para atendimento às vítimas de violência sexual. São serviços telefônicos ou presenciais que trabalham no aconselhamento e atendimento às crianças e adolescentes. Confira abaixo alguns deles relacionados pela Childhood Brasil.

Conheça os projetos clicando nos links.

Presente em mais de 150 países, o canal segue o modelo da rede Child Helpline Internacional, prestando atendimento aos infanto-juvenis no Rio de Janeiro. O serviço funciona desde 2009 e assiste as vítimas por telefone, chat ou e-mail gratuitamente através do 0800 0 123 123.

De acordo com a coordenadora, Vânia Izzo, o grande diferencial está no acolhimento dado aos vulneráveis. “A solidão e a falta de ter com quem falar são as queixas mais frequentes e o cenário para que apareçam as situações de abuso sexual, negligência e violência”, diz.

Após análise cuidadosa dos casos, é feito o encaminhamento para o atendimento psicológico próximo à residência ou, em se tratando de abuso sexual, a criança ou adolescente são orientados a identificar-se para que seja encaminhada uma denúncia ao Conselho Tutelar.

Através do “123 Alô!”, uma média mensal de 283 crianças e adolescentes foram atendidas no período de janeiro a meados de outubro de 2012. Desses, foram 45% via telefone, 47% via e-mail e 8% via chat.

Criado em 2001 pela Secretaria de Segurança Pública do Estado da Bahia, o Serviço de Atenção a Pessoas em Situação de Violência Sexual – o Viver, disponibiliza gratuitamente, às vítimas e a seus familiares o atendimento e amparo necessários.

Além da assistência por telefone (0800 284 2222), o Viver tem serviços direcionados ao atendimento presencial em Salvador, onde a vítima é recebida por uma equipe multidisciplinar que realiza o acompanhamento social, médico, psicológico e jurídico.

O projeto funciona mediante parcerias com outras instituições, como Secretaria Estadual de Saúde, Ministério Público e Conselhos Tutelares.

Um serviço que conta com o apoio da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, o Programa de Atenção à Violência Sexual (Pavas) presta atendimento às crianças e adolescentes em situação de abuso sexual e às suas famílias. O trabalho possui ênfase na prevenção e tratamento das consequências da violência sexual, além de ajudar com mecanismos que diminuam a situação de vulnerabilidade.

Nessa linha, as consultas são agendadas pelo telefone (11) 3061 7726 para, inicialmente, ser feita uma triagem por uma equipe especializada. De acordo com o médico da equipe, Théo Lerner, o atendimento é feito primeiramente em grupo e depois cada caso é tratado separadamente. Para mais informações, visite a página do PAVAS.

Centro de Valorização da Vida (CVV)
A proposta do Centro de Valorização da Vida (CVV) é fornecer apoio emocional gratuito às vítimas através do número 141, chat, VoIP, correspondência e de maneira presencial. O projeto possui mais de 2.200 voluntários responsáveis pelo atendimento com foco na prevenção do suicídio.

“Lidamos com qualquer assunto. Nosso objetivo é ouvir a pessoa que liga e entender o que ela está sentindo”, diz Adriana Rizzo, voluntária do CVV. (Fonte)
Segundo este site há 4 tipos de abusos: Pedofilia, Violação, Assédio sexual e Exploração sexual profissional. Nos próximos dias estarei falando sobre cada um deles.

No Facebook, a Editora Valentina liberou o primeiro capítulo do livro Fale! que tem a temática do abuso sexual, além disso, vários links sobre a Campanha, vale a pena dar uma conferida.

E por final, dia 7/05 foi o dia do Silêncio e na mesma hora lembrei dos abusos que muitas pessoas sofrem nos dias de hoje. Este é um assunto muito difuso, gera polêmica e muito no que falar, abuso permeia vários lugares do mundo, existem também estes que citei acima, devemos dar um basta neste ato, não só neste mês, neste dia, mas durante o ano todo. Fale!


1 Comentaram:

  1. Importante participar disso ;)
    Bjs!

    Raquel
    www.pipocamusical.com.br

    ResponderExcluir