Review - O Último Dançarino de Mao

escrito por Rafael Fernandes

Título Original: Mao’s Last Dancer
Título Traduzido: O Último Dançarino de Mao
Direção: Bruce Beresford
Lançamento: 2012
Trailer: Youtube
Duração: 117 minutos
Download: Aqui
Nota: 5 de 5

Sinopse
Baseado na autobiografia de Li Cunxin, Adeus, China – O Último Bailarino de Mao, este drama narra a dura vida de um jovem chinês que desde sua infância lutou por sua paixão pela dança. Quando ele tem a chance de fazer parte da academia da Madame Mao e consegue uma bolsa para estudar balé nos EUA, Cunxin se apaixona pela cultura ocidental e isso muda radicalmente sua vida. 

Opinião:
Mais um filme melodramático baseado em livro, este adaptado do best-seller autobiográfico Adeus China: O Último Bailarino de Mao, de Li Cunxin, eu até que gostei, mas achei um pouco clichê, o que surpreendeu mais foi mesmo o final.

Em se tratando de uma biografia, não é algo que me agrade, então gostar de um filme assim foi difícil. O diretor deu duro nesse filme, dava para perceber porque a obra por completo, tanto no aspecto direção, arte, diálogos, movimentos, tudo ficou impecável, porém previsível. E as mudanças de locais que o personagem principal passa, tanto da província rural de Qingdao, em Pequim e também em Houston, as diferenças entre os lugares passados são promíscuas e agradáveis de se verem.

Quando falei em clichê, quis dizer nessa mistura de etnias, quando um estranho coloca suas vida em outro país, mostrando assim a diferença entre oriental e ocidental perfeitamente. O interessante que pude perceber, foi a curiosidade do protagonista (Chi Cao), ele ficava maravilhado com qualquer movimento, e também desconhecia o idioma falado e todo restante das mesmas caras, tudo para ele era novo e estranho. E quando ele vai a uma danceteria é mais estranho ainda, ele não consegue entender nada daquele universo divertido, porém ele era um bailarino...

Conforme a sinopse, vocês perceberam Li Cunxin é um bailarino, claro, ele foi educado segundo as políticas comunistas dos chineses, e ele não podia acreditava na beleza paradisíaca que via, e muito menos a liberdade que a América lhe proporcionaria...

No todo, o filme é wonderful, as épocas, as roupas, os locais no qual os personagens passavam, danças e mais danças inacabáveis, me deixaram tocado com tanta beleza. O que mais me surpreendeu também foi a atuação de Bruce Greenwood, no filme o diretor gay da Companhia Houston Ballet (onde Li estava estudando), Ben Stevenson pra mim parecia um homem comum, não tinha aspecto que demonstrava ser homossexual, só percebi que ele era em um momento quando gesticulava e também  percebi pelo seu modo de viver.

O Último Dançarino de Mao mesmo sendo previsível é de fato um dos melhores filmes autobiográficos que já vi. E sem contar que pouco antes de acabar o filme, já vi que eu iria me emocionar com algo esplendoroso, como se todos os sonhos fossem realizados no mesmo instante, ou então como uma tragédia determinaria o final da história de Li, eu como plateia tive que aplaudir, porque um filme que emociona merece destaque sempre. Assistam! 


2 Comentaram: