Resenha - Sem amor, eu nada seria - Américo Simões (Espírito Clara)

escrito por Rafael Fernandes

Autora: Américo Simões (Ditado por Clara)
Editora: Barbara
Onde comprar: Aqui
Nota sobre o livro: 5 de 5

Sinopse:
1937. Explode a segunda guerra mundial. Um alemão, nazista, para proteger sua mulher amada, Sarah, uma judia, dos campos de concentração nazista, esconde-a num convento, onde ela conhece Helena, uma freira, grávida, de cujo pai da criança guarda segredo. Por se achar uma pecadora e imoral, Irmã Helena pede a Sarah que crie seu filho como se tivesse nascido dela própria. Diante do desespero de Helena e da adorável criança, Sarah aceita o pedido. Helena achando-se indigna de continuar no convento, abandona o lugar. Entretanto, ao passar por um bairro saqueado pelos nazistas, com pilhas e mais pilhas de judeus brutalmente assassinados, ela ouve o choro de um bebê. Em busca do seu paradeiro, encontra a criança agasalhada no meio dos braços de uma judia morta a sangue frio. Helena pega a criança, a amamenta e a leva consigo. Porque acredita que Deus a fez salvar aquele bebê para se redimir do seu pecado. Assim, Helena cria o menino como se fosse seu filho, ao lado de sua mãe, uma mulher católica fervorosa. E seu bebê é criado por Sarah em meio a judaísmo. O tempo passa e o destino une todos, no futuro, para mostrar que somos irmãos, não importando raça, credo, condição financeira ou religião.

Resenha:
Antes de qualquer coisa, é preciso respirar e muito depois de uma leitura de uma história tão emocionante quanto essa. Eu já estou recomendando antes de contar minha opinião, veja só. 

Sem amor, eu nada seria, é uma história emocionante, muito, muito, muito, carregada de emoção, claro, tristezas, felicidades, sim, têm suas partes boas, agonias e muitas reviravoltas por cada página lida. A história é longa, sinto muito, mas deixa de ser cansativa depois da primeira página, eu disse que era viciante. 

Contada detalhadamente em 3ª pessoa, Sem amor, eu nada seria, faz com que o leitor se sinta a vontade para descobrir cada pedaço interessante do livro, não enrola nem delonga certo acontecimento, e sim planeja cada fato ao longo da leitura, intenso. Há poucos erros de digitação, nada que implica durante a leitura, visto que o autor Américo Simões disse que poderia haver erros, pois sua mão foi usada pelo espírito Clara, e conquanto que erros são meramente aceitáveis nesse caso, acho. 

Eu não sou fã de livros espíritas, já digo, mas esse agora se tornou meu favorito do ano, e sim sou fã de livros que retratam a 2ª Guerra Mundial, porque tratam de histórias emocionantes e tocantes e eu gosto muito desse aspecto, por outra via acabei perdendo meu preconceito por livros dessa maestria, pois com o ensinamento que o livro passa é impossível você ter que julgar alguém ou coisa antes primeiro que seja você ou que tenha usado a coisa, um livro jamais deve ser julgado antes de ser lido, isso é fato. 

A história se passa durante a Segunda Guerra Mundial, quando Hitler estava prestes a tomar seu plano à tona. A capa do livro em preto e branco é linda, o que releva partes da história, retrata a vida de dois jovens, Sarah Baeck, judia, e Viveck Shmelzer, alemão, o amor dos dois só conspirava para dar errado, na concepção alemão era proibido casamentos de judeus com alemães, ainda mais um soldado como Viveck, nem o pai dela todo rude com ele concedeu a mão dela, então imaginam os leitores o quão difícil foi à união de ambos, nada fácil... Ambos tiveram que passar coisas terríveis e angustiantes para sobreviver ao nazismo e a guerra, e também há várias outras histórias interligadas com a do casal, que faz do livro uma forma de prover ensinamentos e novos horizontes. 

É impossível cansar-se durante a leitura desse livro, visto, que quando se acomete por ler, fica viciante, já dito anteriormente, por outra face se sentirá como um observador vendo tudo acontecer com os personagens tão diferentes um dos outros, é parecido como se vivesse o momento, como se estivesse ao lado deles, sentindo suas emoções afloradas. 

O final vem com duas perguntas, que o autor nos deixa para nós mesmo respondermos, pois o autor não conclui totalmente a história, no qual fiquei tentado a esperar, e numa espera frustrante, me surpreendi por esse método, julgar alguém não é fácil, mas eu consegui formular minha opinião, mas se eu contar aqui a história perde toda a graça. 

O valor que o livro passa, de tantos judeus, nazistas, homossexuais, deficientes físicos, negros, testemunhas de Jeová... São iguais, são irmãos, são criaturas de Deus, pois morrem do mesmo modo que o outro, e do mesmo jeito o sol brilha para todos igualmente quando se amanhece o dia. Sem amor não seríamos nada mesmo, pois o ódio, o racismo e o preconceito ferveriam na Terra, personagens como Dagmara e Ferdinando é prova de que o racismo e a religião fanática vêm em primeiro lugar quando se trata da forma abusaria de proteger seus egos. Com certeza Sem amor, eu nada seria mostra uma grande lição de vida a ensinar a qualquer pessoa. Recomendo muito!


9 Comentaram:

  1. Oi Rafa!
    Uau, o livro deve ser magnífico!
    Ao contrário de você, gosto de livros espíritas e já não sou tão fã dos da Segunda Guerra, porque os acho muito tristes!
    De qualquer forma, fiquei curiosa!
    Beijão!

    ResponderExcluir
  2. Nossa! Preciso ler este livro....
    Gostei da sua resenha!
    Abraços...
    Passa lá no blog, tem post novo.

    ResponderExcluir
  3. Poxa deve ser bom ein , quem sabe um dia eu leia , mas agora quero dar prioridade as minhas séries que eu abandonei , tadinhas. otima resenha !

    ResponderExcluir
  4. Só confirmei algo: preciso ler esse livro.
    Esses livros sempre trazem histórias que se entrelaçam de uma maneira extraordinária. Incrível!

    ResponderExcluir
  5. Nossa, Rafa, nunca ouvi falar nessa editora, mas achei o livro bem interessante, gosto de temas assim! Vai pros desejados...

    Bjs,
    Kel
    www.itcultura.com

    ResponderExcluir
  6. ai god, comprei esse livro e amei amei. Muito bom. EUHEUHE ok

    ResponderExcluir
  7. Lindo, lindo, lindo, pode reler para chorar de novo...

    ResponderExcluir