Resenha - Sincero - Jürgen Schmieder

escrito por Rafael Fernandes

Sincero - Jürgen Schmieder
Título: Sincero 
Autora: Jürgen Schmieder
Editora: Verus
Onde comprar: Aqui
Nota sobre o livro: 4 de 5

Sinopse:
Alguns dizem que não é possível viver sem mentir. Se todo mundo sempre falasse a verdade, teríamos não apenas conflitos, mas possivelmente até a Terceira Guerra Mundial. Outros, porém, como o filósofo Immanuel Kant, consideram a honestidade a mais importante das virtudes. Em uma sociedade que não só tolera como muitas vezes recompensa a mentira, pode um homem sobreviver se disser apenas a verdade? Segundo estudos, mentimos até duzentas vezes por dia – por educação, por diplomacia ou porque é mais fácil. O jornalista Jürgen Schmieder tentou por quarenta dias ser absolutamente sincero, no casamento, na declaração de imposto de renda e até no pôquer com os amigos – e, claro, consigo mesmo. O resultado foram hematomas, noites dormidas no sofá, vários insultos e uma amizade quase perdida. Algumas vezes ele se sentiu livre e corajoso; outras, deprimido e inseguro. Na vida particular e profissional, envolveu-se em situações constrangedoras, mas também divertidas e muito esclarecedoras. Sincero é um livro hilário, que nos leva a refletir sobre as pequenas mentiras que todos nós contamos no dia a dia.

Resenha:
Ela (Hanni) respondeu apenas:
- O que você quer de mim? Você se acha bonito, atraente e genial. É arrogante. Toma como ofensa quando uma mulher não se apaixona por você de imediato. Quer que todas as suas ex-namoradas ainda continuem caidinhas por você. Adora paquerar a mulherada. Não consegue aguentar quando alguém não gosta de você. Quer sempre ser o melhor. Não consegue perder nem admitir um erro. Acha seus problemas mais importantes que os das outras pessoas. É tão bagunceiro que às vezes tenho vontade de tombar seu armário e espalhar na cama ou o que tiver lá dentro. Quase quebrar o pescoço para olhar outras mulheres. Prefere sair com seus amigos para beber do que ficar comigo e não tem coragem de dizer isso na minha cara. Considera Holger sua segunda mulher e às vezes fico enciumada... Página 265
Acho que a mulher de Jürgen começou a ser sincera também, bem lá no finalzinho do livro. Jürgen Schmieder é o próprio personagem, pensei que não fosse, ele mesmo não queria trocar os nomes da história real, mas ele quis ser sincero do mesmo jeito.

A história é simples: Schmieder se desafiou a passar 40 dias sendo sincero, nos seus modos mais divertidos e cru que se poderia imaginar. E começa com ele já xingando a atendente de compras de passagem, foi a primeira vez que alguém tomava atitude, ninguém teria coragem de reclamar da demora de horário e de trens atrasados, ele o fez de todo modo rabugento.

Ele é um jornalista que fala sobre esportes em sua coluna, tem 29 anos, e decide fazer, viver e escrever tudo o que se passou nesses dias. Não posso dizer que foi engraçado, esse livro não é engraçado, e nem ri nada nesse livro, enganam-se os leitores que acharem que irão se deleitar de tanto rir. É um livro mais para auto-ajuda, de perder o medo de falar a verdade, ou ainda ser sincero, nem que seja uma sinceridade respeitosa. Achei a história pouco divertida uma vez, ele já me previa no começo do livro para que eu parasse ali se achasse que ele seria o palhaço, e segui em frente.

Em sua Sinceridade Radical, atuando com seus amigos, família, e colegas de trabalho, só começou a perder o que tinha, nunca ganhava ou somente sentia a liberdade livre em poder dizer o que realmente achava, só era um erro quando jogava no pôquer. Sua esposa até que era compreensiva em seu projeto até que ele perdeu tantos euros na declaração do I.R. que ela ficou brava com ele, até sua família parece que levava numa boa àquela fase de Jürgen estava passando, ele falava, tudo, falava mesmo, até quando não era chamado. Porque segundo ele, quando não se falava, ou se omitia algo estaria mentindo, então ele falava mesmo.

Tomei por ódio o autor, eu queria esganar ele se ele falasse alguma coisa sobre nós leitores, por isso mesmo não recomendo o livro pra todo mundo, já que ele xinga e em muitas partes de maneira coloquial e impura. 

É um livro estranho, com personagens estranhos... Só recomendo para aqueles que acharem realmente interessante ver a vida de uma pessoa louca passar 40 dias sem mentir, que não é só dizer a verdade, mas sim ser sincero, não importa a situação, inclusive para trair um amigo muito próximo, eis a questão, um ponto bem engraçado, talvez.

Sincero é um livro narrado em 1ª pessoa como se pode ver, diagramação perfeita, sem erros de português e com uma capa um tanto feia, eu acho. Mas, no entanto combina com o autor e sua peça, claro.

Recomendo para curiosos e para maiores de 17 anos, e no máximo para meninos, já que em sua maior parte supracita para a ala masculina. Mas mulheres também iriam adorar o livro, visto que ele não se espantaria quando sua esposa desse por vista as palavras sobre ela no livro.


4 Comentaram:

  1. Rafa, adorei essa resenha, principalmente o fato de vc chamar a atenção para a faixa etária. Tem livros que realmente não são para serem lidos por leitores muito jovens, mas todos esquecem de citar esse fato.

    Enfim, eu gostei da sua resenha, mas eu não gostei foi do livro rs. Não faz meu estilo mesmo, viu? E já até peguei implicância com o autor rsrs

    Bjs,
    Kel
    www.itcultura.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Entendo seu lado Kel, mas que o livro é divertido isso é! Beijos, e obrigado sempre pelo carinho! ^^

      Excluir
  2. Uau , não conhecia esse livro , mas me pareceu ser daqueles que eu vou amar , otima resenha novamente rafa ")

    ResponderExcluir