Comece a ler desde cedo, se puder

escrito por Rafael Fernandes

Ou pelo menos comece. E pelos clássicos, pelos consensuais. Serão cinqüenta, serão cem. Não devem faltar As mil e uma noites, Dostoiévski, Thomas Mann, Balzac, Adonias, Conrad, Jorge de Lima, Poe, García Márquez, Cervantes, Alencar, Camões, Dumas, Dante, Shakespeare, Wassermann, Melville, Flaubert, Graciliano, Borges, Tchekhov, Sófocles, Machado, Schnitzler, Carpentier, Calvino, Rosa, Eça, Perec, Roa Bastos, Onetti, Boccaccio, Jorge Amado, Benedetti, Pessoa, Kafka, Bioy Casares, Asturias, Callado,Rulfo, Nelson Rodrigues, Lorca, Homero, Lima Barreto, Cortázar, Goethe, Voltaire, Emily Brontë, Sade, Arregui, Verissimo, Bowles, Faulkner, Maupassant, Tolstói, Proust, Autran Dourado, Hugo, Zweig, Saer, Kadaré, Márai, Henry James, Castro Alves. [Crédito].
Não sou de ler clássicos, sou jovem, mas também não sou ignorante, no entanto sei, que é quase uma obrigação de qualquer leitor viciado em leitura ter pelo menos lido alguns dos clássicos universais. Sim, já li DostoiévskiCervantesAlencarShakespeareVoltaire, e por aí vai, o que encontro nessas leituras é uma linguagem rebuscada, mas no entanto enriquecedora, não me assusto com as cenas tratadas com tanto afinco pelas maioria desses autores em seus livros.
Só estranharia eu, se entendesse tudo o que esses autores falam ou tentam falar.O autor adora deixar o leitor com dúvida, descobrir fatos por si próprio. Eu recomendo que leiam os clássicos, porque não são de nossas regalias que temos, de entender tudo, com facilidade das descrições, tirar um pouco da mordomia que atualmente lemos e nem nos esforçamos tanto, já em se tratando de uma peça de Shakespeare, com toda certeza, levará dias para que tal obra seja entendida completamente.
O mais legal ainda, é ver que certas palavras de lá não são mais usadas nos dias de hoje ou modificadas, cousas tipo a conversa fiada ou grafada, que vai se alterando a cada geração, se lermos hoje livro feitos do século passada haverá uma grande diferença do modo como eles escreviam e falavam na época.
Peguemos o exemplo de Matilda, do filme Matilda, veremos que ela começou a ler os clássicos desde pequena, muito pequena. Não teríamos a coragem que ela teve, Moby Dick, é um livro muito enxuto e pesado. Mas se ela fez por entendimento, quer dizer que ela começou a ler dos livros infantis e daí o gosto dela foi se aperfeiçoando... Se observarmos o fato de hoje muitos jovens só pegar um livro clássico como obrigação nunca que terá gosto por ele. O simples fato de começar pelo mais fácil ajuda, mesmo que inicie-se a leitura na juventude, ou ao mais tardar. Se entrar no mundo de Lobato, tão logo irão querer entrar nos Contos de Grimm, e logo depois vai querer engolir 7 livros por semana, isso é o que estou querendo dizer, começar a leitura do fácil ao mais difícil.
Se está só lendo lançamentos internacionais traduzidos para cá, aproveite uma semana sua e pegue um clássico, ou incentive quem é jovem para pegar logo os clássicos que com certeza não vai se desapontar. Já vi muita gente lendo Austen, parabéns, mas isso não é o suficiente para os leitores do Brasil, precisamos de mais leituras, muito mais, mais engajamento no sentido de leitura total, de amor pelas clássicos, para que eles jamais sejam esquecidos, pois sem eles com certeza nossa literatura não seria o que é hoje.


12 Comentaram:

  1. Sabe que eu já acho o contrário? Devemos ler sim, desde muito pequenos, mas começar pelos clássicos as vezes pode ser um erro, pela leitura pesada e rebuscada, as vezes pode se tornar cansativo, o que leva o leitor a desistir facilmente. Eu acho que devemos ler desde pequenos. Mas devemos ler os livros que acompanham a nossa faixa de idade os clássicos e a maturidade na leitura vem dps!
    Beijos

    Camila Leite;
    www.sonhosentrepontinhos.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não foi bem isso que eu quis dizer, mas tudo certo! Eu disse sim que devemos seguir as regras da leitura dita, à qual a idade necessita... Obrigado sempre Camilinha!

      Excluir
  2. Adorei o texto! Também acredito que temos que começar pelos mais "fáceis" e depois partirmos para os clássicos. Acredito que aí mora o problema: o jovem, na escola, é obrigado à ler um clássico, sendo que ele nunca teve contato com a literatura mais simples, anteriormente. Então, ele cria uma certa antipatia com a literatura, de modo geral e passa a dizer que "odeia ler", quando na verdade ele não odeia, só que foi apresentado à um clássico sem antes conhecer os outros livros! 
    Uma reflexão que deve ser pensada e repensada e trabalhada nas escolas, para mudarmos essa realidade desde cedo!

    Beijinhos, Amanda Cristina.www.primeiro-livro.com 

    ResponderExcluir
  3. Até a  "onipresença" dos autores para com suas obras, é limitada para os leitores, porém isso é o que nos intriga e renova o meu desejo de ler mais. Excelente post. Visite meu blog tbm e opine, agradeço.
    http://sociedadedolivro.wordpress.com 

    ResponderExcluir
  4. Oi Rafa!
    Também sou a favor de começar pelos mais fáceis, acho que começar com os clássicos pode ser um erro, principalmente se for uma leitura obrigatória.
    Acho que o segredo é ir aos poucos e, principalmente, buscar ler aquilo que te interessa, inclusive os clássicos.
    Ler um clássico já não é muito fácil, ler um que não se tenha vontade, só por ler, é terrível.
    Beijão!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Mih!!! Ainda bem que concordas comigo! Isso mesmo, ir aos poucos, nada de pressa. Fácil não é, mas quando nos interessamos pelo menos por aí, a situação já muda... Obrigadão!

      Excluir
  5. Confesso que de clássicos mesmo, desses do tipo citados por vc, eu quase não tenho mt experiência. Li só alguns, bem poucos, queria ter lido muito mais e prometi que iria fazer isso em 2012.

    Seria uma pessoa bem mais realizada se tivesse tido mais contato com a leitura quando era criança e adolescente. Eu lia, adorava, mas não tinha tanto acesso aos livros já que meus pais nunca gostaram mt de ler (e olha que minha mãe é professora, absurdo!). Até hoje nenhum dos dois apoiam, mas pelo menos posso obter os livros por minha própria conta =D

    Belo texto, Rafa!

    Bjs,
    Kel
    www.itcultura.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Kel, pena que você não teve incentivo desde a infância, nem eu tive. Meus pais pararam de estudar desde cedo pra trabalhar, e só fui tomar gosto por ler na escola, daí não sabia que tinha os clássicos, depois que descobri eu adorei esse mundo novo. Obrigado pelo elogio Kel!

      Excluir
  6. Os professores precisam parar de obrigar os alunos a lerem clássicos, e os alunos precisam deixar de comodismo e procurar obter um pouco mais de cultura buscando eles mesmos tais clássicos para a leitura. Há!
    Confesso que quando criança não gostava muito de Monteiro Lobato, não. Li um livro dele, e olhe lá... Na biblioteca eu já passava direto para os livros adultos (ou clássicos!), mas sempre cedia a minha marca de idade e lia um infanto-juvenil. Afinal, o que importava era ler!
    Espero que esse ano eu leia mais clássicos! Me fará um bem danado isso. rs

    (:

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como você era rebelde na sua leitura em sua infância... Se esse ano leres mais clássicos, sua vida nunca mais será a mesma... Ok! C'ya!

      Excluir